Notícias

terça-feira, 10 de abril de 2018

Coluna: Silvia Navarro em 5 faces


Silvia Navarro é uma das melhores atrizes mexicanas da atualidade. A cada trabalho, ela consegue nos surpreender positivamente. Dona de um grande carisma, protagonizou todas as tramas em que participou. Na coluna de hoje, relembre algumas de suas novelas.


Cuando seas mía (2001): Nesta primeira adaptação mexicana de "Café com aroma de mulher", Silvia viveu Paloma, uma simples catadora de café que desejava progredir. Nos tempos livres, ela se refugiava entre os livros e cadernos, mas também sonhava em encontrar um grande amor. Com a morte do grande patriarca do café, Don Lorenzo (José González Márquez), os herdeiros se encontram na "Casa Blanca", onde Paloma conhece Diego (Sergio Basañez), o neto de Don Lorenzo que está terminando seus estudos para se encarregar da fazenda. Ele se sente totalmente desiludido e irá concentrar todos os seus esforços na propriedade da família. 
Quando o destino se encarrega de aproximar Diego e Paloma, ambos pensam ter encontrado o amor ideal, mas eles terão que superar diversos obstáculos para ficarem finalmente juntos.
Nesta novela, bastante elogiada pelo público, vale destacar a excelente química de Silvia Navarro e Sergio Basañez, que funcionaram muito bem como casal. Tal afinidade foi aproveitada em outras novelas da TV Azteca, como "Catalina e Sebastián" (1999) e "La Heredera" (2004).


Mañana es para Siempre (2008): Com este trabalho, Silvia estreou em grande estilo nas novelas da Televisa ao protagonizar uma novela em horário nobre e ao lado de Fernando Colunga. Nesta trama, sua personagem Fernanda viveu um grande amor na infância, mas foi separada dele por conta dos planos de Bárbara Greco (Lucero) em destruir os Elizalde. Quinze anos depois, Eduardo (Fernando Colunga) reencontra Fernanda, que está prestes a se casar, mas precisa ocultar sua identidade para fazer justiça e livrar a família de sua amada do grande perigo que os ronda.
Em "Mañana es para Siempre", Silvia teve uma grande missão: segurar o posto de protagonista, enquanto outra personagem de grande peso ditava as regras no decorrer da novela.


Mi corazón es tuyo (2014): Nesta novela, baseada na série espanhola "Ana y los Siete", Silvia interpretou Ana Leal, uma mulher que ganhava a vida como dançarina de pole dance em uma boate da capital mexicana. Por ironia do destino, ela acaba indo parar na casa do viúvo Fernando (Jorge Salinas) e é confundida com a nova babá de seus sete filhos, que possuem entre 7 e 16 anos. 
Buscando um futuro melhor, ela acaba topando o desafio de ser babá. Com o tempo, Ana acaba se envolvendo afetivamente com as crianças e ainda se apaixona por seu chefe, ao mesmo tempo em que tenta esconder de Fernando e de todos na casa sua vida dupla: babá de dia e dançarina de noite.
Em "Mi corazón es tuyo", Silvia teve a oportunidade de explorar a sensualidade e o seu lado cômico. Por conta de sua dedicação, Ana foi uma personagem singular e uma das mais agradáveis de se acompanhar.


La Candidata (2016): Nesta novela, Silvia foi Regina Bárcenas, uma senadora engajada em combater a corrupção em seu país. Dedicada ao seu trabalho, sempre preza pelo bem estar das pessoas e por isso, defende as mulheres que sofrem qualquer tipo de abuso. Ela estudou e fez toda a sua carreira com Alonso (Rafael Sánchez-Navarro), apoiando-o e contribuindo com suas ideias. Regina se apaixonou na adolescência e decidiu ficar com ele a vida toda. Mesmo percebendo que Alonso mudou e que o relacionamento já não era mais o mesmo, ela tenta salvar o casamento para que seu mundo familiar não desmorone. Gerardo (Victor González) poderia ter sido seu grande amor, mas devido à pressão de seus pais, ele teve que decidir por Alonso. 
Ao descobrir que seu marido é um político corrupto, ela decide se candidatar às eleições para ser a nova presidente do México. Neste tabuleiro de xadrez, ela terá que mover as peças certas, buscar aliados e derrubar vários inimigos para conseguir o seu propósito.
"La Candidata" foi uma novela surpreendente, atual, que tocou em temas importantes, mas que também contou uma bela história de amor. Mostrando sua maturidade artística, Silvia brilhou do começo ao fim na pele de uma mulher forte, lutadora e competente o suficiente para governar uma nação.


Caer en Tentación (2017): Nesta história, baseada na argentina "Amar después de amar", Silvia é Raquel Becker, uma mulher livre de aparências e poses. Vive um casamento estável com Damián (Gabriel Soto), com quem tem dois filhos e possuem um ótimo padrão de vida.
Ao conhecer Santiago Alvarado (Carlos Ferro) e sua esposa Carolina (Adriana Louvier), que buscam uma estabilidade financeira, procura ajudá-los incondicionalmente. Por apreciar o grande talento de Santiago para a construção, Raquel pede ao marido para que contrate Santiago para reformar parte de sua casa e a fábrica de massas. Ela também ajuda Carolina a iniciar um negócio de serviços de banquete, que vai melhorar a renda do Alvarado. 
A amizade de dois casais desencadeia uma infidelidade e 3 anos são suficientes para desfazer 20 anos de casamento. A traição de Damián com Carolina aniquila o "mundo perfeito" construído por Raquel, que fica à beira de uma depressão, na qual ela se culpa por não ter sido boa o suficiente para manter seu casamento. O assassinato de Carolina é outro ponto alto da história e levanta várias suspeitas.
A trama, bastante complexa por envolver diferentes épocas, só seria bem-sucedida se optassem por atores mais experientes e que estivessem dispostos a fazer um trabalho diferente. Além de Silvia, Gabriel Soto, Adriana Louvier e Carlos Ferro mostraram que foram os artistas ideais para viver os personagens desta história.

0 comentários:

Postar um comentário