Notícias

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Trilhas de Novelas - El Rey Tiburón (Yo amo a Juan Querendón)

Pôster da novela "Yo amo a Juan Querendón"
Divulgação: Televisa

Em 2007, Martha Patricia López de Zatarain, ou simplesmente Mapat, produziu "Yo amo a Juan Querendón" para a Televisa, sendo uma adaptação da novela colombiana "Pedro el Escamoso", realizada pela escritora Gabriela Ortigoza, em colaboração com Antonio Abascal, Miguel Vallejo e Juan Carlos Alcalá, que se revezaram no decorrer da novela.
"Yo amo a Juan Querendón" narra a história de Juan Domínguez (Eduardo Santamarina) um homem mulherengo e descarado que, por uma confusão, sai de sua cidade com destino à Cidade do México. Ao chegar na capital, a vida de Juan muda drasticamente: primeiro, conhece Paula (Mayrín Villanueva), de quem se apaixona, e também conhece Samuel (César Évora), o líder de uma família que se apega a ele. Depois da inevitável morte de Samuel, Juan é encarregado de cuidar de Nidia (Silvia Pasquel), esposa de Samuel, e de Marely (Florencia de Saracho) e Yadira (Dacia Alcaráz), as filhas.
Sem querer, Juan arma uma grande rede de mentiras sobre seu passado com objetivo de ganhar a confiança da família de Samuel. Depois, Juan busca trabalho nas empresas Farell e exatamente lá, ele se encontra com Paula, mas este se dá conta de que ela tem uma relação com César (Alexis Ayala), o dono das empresas Farell e que está casado com Mónica (Reneé Varsi). Porém, Juan não se dá por vencido e decide lutar pelo amor de Paula.
Juan tem um alto conceito de mulheres. Para ele, é o ser mais belo na face da terra, uma obra de arte da criação, e por essa razão, as mulheres merecem ser respeitadas e reverenciadas como divindades. Juan se apaixona facilmente por elas, porque, na realidade, é um apaixonado pelo amor.
Depois da morte de Samuel, Nidia descobre que Samuel teve um filho com uma amante anos atrás, Ana (María Marcela). O testamento de Samuel deixa uma grande parte de sua fortuna com ajuda de Alirio (Roberto D'Amico). Nidia oculta a cláusula do testamento.
Todos esses enredos e distintas situações engraçadas provocadas pelo caráter conquistador de Juan dão base a trama da novela. 
Na ocasião, "Yo amo a Juan Querendón" substituiu "La fea más bella" que havia se tornado um fenômeno da audiência. Embora a novela fosse boa, a missão foi difícil e a trama não sustentou os índices, mantendo números aceitáveis, apenas cumpriu com o seu papel de divertir. Talvez o excesso de humor tenha prejudicado a trama. O público mexicano (e pelo visto, não é o único) é dramático e aqui, não havia um equilíbrio entre humor e drama para justificar uma aceitação maior do telespectador.
Em relação ao protagonista, Eduardo Santamarina se saiu muito bem. Juan era galante e tinha uma autoestima incrível, mesmo com aquele cabelo pavoroso. Chovia mulheres e as situações provocavam ótimas risadas, situações estas que foram acompanhadas em impressionantes 260 capítulos, ficando no ar até Fevereiro de 2008.
Com um protagonista tão sedutor, o tema musical teria que fazer jus ao personagem. O tema El Rey Tiburón, da banda mexicana Maná, fala também de um homem conquistador. Veja no clip oficial, publicado no canal oficial da banda no Youtube.

0 comentários:

Postar um comentário