Conheça os personagens de "A que não podia amar"

Novela estreia hoje, às 5 e 15 da tarde.

"Estrela-Guia" volta ao ar pelo Canal Viva

Novela foi estrelada por Sandy.

Trilhas de Novelas - Por Tu Amor (Por Tu Amor)

Novela foi protagonizada por Gabriela Spanic e Saúl Lizazo.

Aberturas de Novelas - Juana, la Virgen (RCTV, 2002)

Novela foi exibida na Record TV em 2002.

América Televisión estreia versão peruana de "Señores Papis"

Produção da Del Barrio Producciones é a grande estreia da semana no Peru.

Notícias

terça-feira, 23 de abril de 2019

Trilhas de Novelas - Oh, Pretty Woman (Uma Rosa Com Amor)

Divulgação: SBT

Em 2010, Tiago Santiago recebeu a missão de realizar a adaptação de "Uma Rosa Com Amor" para o SBT. A história de Vicente Sesso foi produzida entre 1972 e 1973 pela TV Globo com sucesso. Os papéis principais, que foram interpretados anteriormente por Marília Pêra e Paulo Goulart, foram defendidos por Carla Marins e Cláudio Lins.
A trama de "Uma Rosa Com Amor" gira em torno de  Serafina Rosa Petrone (Carla Marins), uma secretária pobre, solteirona, romântica e atrapalhada. Moradora de uma vila, dominada pelos pais italianos, Giovanni (Edney Giovenazzi) e Amália (Betty Faria), seu maior sonho é se casar. Todos os dias, Serafina compra uma rosa para si mesma e pede à floricultura que a envie ao escritório onde trabalha com um cartão escrito “Para Serafina, uma rosa com amor!”. Ela é completamente apaixonada pelo patrão, o rico industrial francês Claude Antoine Geraldy (Cláudio Lins). Porém, o ama em segredo, já que ele mal repara nela.
Para resolver negócios escusos de sua empresa e a sua situação ilegal no Brasil, Claude propõe a Serafina um casamento fictício. Um viria a preencher as necessidades do outro por meio de uma união com data de expiração. A jovem aceita porque, com o dinheiro que irá receber, poderá impedir a demolição da vila onde moram sua família e amigos. E Claude só não se casa com a namorada, a arrogante milionária Nara Paranhos de Vasconcellos (Mônica Carvalho), porque ela ainda está casada com o ex-marido, Carlos (João Vitti), que se nega a dar-lhe o divórcio.
Casados, Claude e Serafina não contavam que fossem acabar se apaixonando, apesar dos universos tão distintos: ele, um homem sofisticado, e ela, de uma família simplória. Quem não se conforma com a situação é Nara, que perdeu o namorado e uma chance de engordar sua fortuna por meio de um plano de seu pai, o ardiloso Egídio (Carlo Briani), em se apossar dos negócios que Claude tem no Brasil.
Para os momentos de dificuldade, solidão ou desesperança, antes ou depois do dinheiro, Serafina Rosa pode sempre contar com o apoio e carinho do velho Pimpinoni (João Acaiobe), amigo e vizinho da vila que, com suas marionetes, conta histórias de sabedoria e cumprimenta a filha dos italianos com a carinhosa frase “Buona sera, Serafina!”.
"Uma Rosa com Amor" foi a terceira novela de um novo ciclo no SBT, iniciado em 2009 com "Revelação", voltando a apostar em novelas nacionais. A novela ficou muito aquém das expectativas da emissora de Silvio Santos, que esperava pelo menos 10 pontos de média. A história de Serafina e Claude só esboçou alguma reação nos últimos capítulos. Apesar do desempenho apático em sua primeira exibição, a trama foi reprisada em 2011 na faixa vespertina do canal. No exterior, Peru, Venezuela, El Salvador, Angola e Moçambique foram alguns dos países que exibiram a novela do SBT.
Na coluna desta semana, relembre o tema principal da novela, que é mais do que conhecido. Interpretado por Roy Orbison, a música Oh, Pretty Woman foi imortalizada ao integrar a trilha sonora do filme "Uma Linda Mulher", de 1990.

 

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Fique por dentro da história de "Jezabel"

Divulgação: Record TV

Após um acordo entre dois reinos, a dissimulada Jezabel (Lidi Lisboa) se casa com o príncipe Acabe (André Bankoff) e se torna a mais perigosa rainha de Israel. Aproveitando do perfil fraco e submisso do marido, a moça passa a comandar com violência o reino e manipular todos à seu redor, auto-intitulando-se uma grande sacerdotisa e porta-voz divina, além de recorrer à violência e sacrifícios públicos para mostrar seu poder. Ela tem como aliados o cruel Hannibal (Rafael Sardão), seu amante e principal guerreiro, e Thanit (Mônica Carvalho), sua ambiciosa melhor amiga, que a influencia com planos cada vez mais bárbaros, além de Baltazar (Alexandre Slaviero), um ex-profeta casado com Temima (Juliana Schalch), a quem trata com machismo e inferioridade. O maior contraponto da rainha é o profeta Elias (Iano Salomão), que tenta desmascará-la e tirá-la do poder com o auxílio de diversos aliados. Isso faz com que Jezabel contrate a ninfeta Dido (Juliana Xavier) para seduzir Eliseu (Ronny Kriwat), discípulo de Elias, para descobrir os planos do profeta.
Também na luta contra a rainha estão Isaac (Leonardo Miggiorin), Matheus (Bernardo Velasco) e Obadias (Juan Alba) – administrador do palácio que trabalha como espião em favor da luta dos profetas contra a rainha má, além de viver um drama com suas filhas: Joana (Camila Mayrink), que se tornou prostituta, e Samira (Laís Pinho), que foi sequestrada há anos. Ainda há outras histórias, como de Hannah (Juliana Boller), uma camponesa noiva de Tadeu (Victor Sparapane), mas alvo constante das investidas do irmão deste, Abner (Daniel Blanco), capaz de tudo para tê-la. O pai dos irmãos, Nabote (Flávio Galvão), sofre com a tentativa de Jezabel de tomar à todo custo sua vinha por capricho. Já os pais de Hannah e Eliseu, Safate (Giulio Lopes) e Dalila (Narjara Turetta), vivem uma humorada relação, uma vez que ele sempre tem que esconder a comida para a esposa não devorá-la descontroladamente. Levi (Léo Cidade) é ajudante do explorador Phineas (Eduardo Lago), na taberna de vinhos e vive um romance atrapalhado com a temperamental Leah (Bárbara Maia).
Queila (Juliana Knust) passa a viver como fugitiva após trair Jezabel ao contar para Acabe que o casamento foi um golpe de poder, tendo um romance com o general Barzilai (Timóteo Heiderick). Filha de Emanuel (Henri Pagnoncelli) e Yarin (Andréa Avancini), Raquel (Sthefany Brito) é uma moça a frente do tempo que não pensa em casamento, mas se apaixona a primeira vista por Micaías (Guilherme Dellorto). Já Aisha (Adriana Birolli) é a doce primeira esposa de Acabe, que tenta fazer o rei perceber que é manipulado por Jezabel.

sexta-feira, 19 de abril de 2019

A Dona do Pedaço - Primeiro Promocional

Foto: Reprodução

Já está no ar o primeiro promocional de "A Dona do Pedaço", a nova novela das 9 da TV Globo. Escrita por Walcyr carrasco, colaboração de Nelson Nadotti, Márcio Haiduck e Vinicius Vianna e com direção artística de Amora Mautner, a novela  enaltece o poder feminino por meio da trajetória de Maria da Paz (Juliana Paes), uma jovem humilde, da cidade fictícia de Rio Vermelho, no Espírito Santo. Maria vem de uma família de justiceiros profissionais, os Ramirez, e se apaixona justamente por Amadeu (Marcos Palmeira), advogado formado em Vitória e membro do clã rival nos negócios, os Matheus. A trama, dividida em um prólogo e duas fases, traz uma história de amor com elementos à Romeu e Julieta, sem perder o humor, que permeia todo o folhetim.
Prevista para estrear em Maio, "A Dona do Pedaço" será a substituta de "O Sétimo Guardião". Sua data de estreia deverá ser divulgada nas próximas semanas.

quinta-feira, 18 de abril de 2019

Aberturas de Novelas - La Dueña (Televisa, 1995)

Pôster da novela "La Dueña"
Foto: Montagem / Reprodução

Em 1995, a Televisa produziu a novela "La Dueña". A trama escrita por Carlos Daniel González e Alejandro Orive é uma adaptação de "La Doña", obra original de Inés Rodena que foi levada à televisão pela primeira vez na Venezuela, em 1972. Florinda Meza (a Dona Florinda do seriado "Chaves" e esposa do eterno Chespirito) é quem assina a produção geral da novela.
Na trama, Regina Villarreal (Angélica Rivera) é uma bela jovem, dona de uma grande fortuna deixada por seus pais quando morreram. Ela vive com sua tia Berenice (Norma Herrera), a quem ama como uma mãe de verdade, e sua insuportável prima Laura (Cynthia Klitbo), assim como sua inseparável babá Martina (Josefina Echanove). Laura inveja sua prima acreditando que ela merece mais do que tudo o que Regina tem. Por esse motivo, ela busca maneiras de fazê-la sofrer. Primeiro ela se envolve com Mauricio (Eduardo Santamarina), o noivo de Regina que só a quer por interesse.
No dia do casamento, Regina é abandonada por Mauricio no altar. Decidida a esquecer a decepção que sofreu, ela se muda para sua fazenda "Los Cascabeles", bem longe da capital. Transformada em uma mulher ressentida e amarga, "A Dona" como seus empregados a chamam, torna-se indomável, também sendo apelidada pelos vizinhos do povoado como "Víbora", já que o capataz de sua fazenda, Macario (Salvador Sánchez), comete crimes em seu nome sem que ela saiba disso.
Naquele lugar, Regina conhece José María (Francisco Gattorno), o proprietário da fazenda vizinha "Los Encinos". Os dois se apaixonam, mas Regina decide esconder seus sentimentos por medo de que se repita sua experiência ruim. Ao mesmo tempo, sua tia e prima chegam aos "Los Cascabeles". Macario se apaixona por Regina e, junto com Laura, pretende afastá-la de José María.
Laura também se apaixona por José María e, por essa razão, Regina será agora o alvo de sua prima, embora "A Dona" não irá permitir que o coração de seu amado seja roubado.
"La Dueña" figura entre as novelas de maior sucesso da década de 90. Há pelo menos 7 versões diferentes desta mesma história, produzidas na Venezuela, no México e no Brasil. Embora "La Dueña" não tenha sido exibida por aqui, o SBT produziu sua própria versão entre 2001 e 2002 com o nome de "Amor e Ódio", trazendo Susy Rêgo e Daniel Boaventura nos papéis principais. Outra versão bastante conhecida no Brasil é "A Dona" ("Soy Tu Dueña"), produzida pela Televisa em 2010, exibida no SBT em 2015 e atualmente em cartaz em sua primeira reprise, com Lucero e Fernando Colunga nos papéis principais.
Na coluna desta semana, confira a abertura original de "La Dueña". O tema principal é uma versão instrumental da música Tengo Todo Contigo, interpretada por Alberto Ángel "El Cuervo".

Créditos: Televisa

domingo, 14 de abril de 2019

Fique por dentro da história de "Malhação - Toda Forma de Amar"

Foto: Reprodução

A parir de amanhã, dia 16 de Abril, “Malhação” estreia uma nova temporada. Com o subtítulo “Toda Forma de Amar” a trama promete abordar as mais variadas histórias de amor. Escrita por Emanuel Jacobina, a novela conta com a supervisão artística de Carlos Araujo e direção artística de Adriano Melo. 
O pontapé inicial desta temporada será uma revelação que mudará do dia pra noite o destino de Rita (Alanis Guillen), uma mãe adolescente. Durante a missa de sétimo dia de seu pai, ela descobre que sua filha dada como morta, na verdade, está viva!
Disposta a tirar toda a história a limpo, ela deixa Queimados com a ajuda do melhor amigo, Tadeu (João Fernandes), e se muda para Duque de Caxias, onde é acolhida pela amiga de sua falecida mãe, Carla (Mariana Santos), dona de uma lanchonete. Controladora, ela pega no pé dos filhos, Raissa (Dora de Assis) e Thiago (Danilo Maia).
O pai da filha de Rita é um mistério na trama e mal sabe ela que a criança foi adotada por Joaquim (Joaquim Lopes) e Lígia (Paloma Duarte), um casal da Zona Sul carioca, pais de Filipe (Pedro Novaes), um estudante de Direito que adora surfar nas horas livres. 
Nem precisa dizer que Rita enfrentará o que for preciso para recuperar a guarda da filha, né? Logo de cara, ela terá dificuldades para provar que pode ser uma boa mãe. E a maior pedra no caminho da jovem será a irmã de Lígia, Lara (Rosanne Mulholland), uma advogada ‘workaholic’, ambiciosa e competitiva, que abre mão da ética para conseguir o que quer. No intuito de defender os interesses da família, mas com uma visão de mundo bem diferente de Lígia, Lara vai dificultar muito a relação entre a jovem e a família que adotou sua filha. 
Rita vai tentar com todas as forças se aproximar da filha. Nem que pra isso - escondida - seja preciso seguir a pequena durante os passeios matinais por Ipanema. Quem logo percebe a aproximação da adolescente é Filipe, que encantado pela sua beleza, e percebendo o amor que tem ela pela criança, se sensibiliza. Os dois acabarão se aproximando e esse encontro promete! 
Só que uma situação violenta e inesperada une a trajetória da mãe adolescente, Thiago e Raissa à de outros jovens até então desconhecidos. Dentro de uma van, eles e mais três adolescentes – Jaqueline (Gabz), Guga (Pedro Alves) e Anjinha (Caroline Dallarosa) – presenciam a retirada truculenta de um rapaz do interior do veículo por homens armados. Diante do impasse entre contar ou não o que viram à polícia, eles criam um grupo em uma rede social – o Deu Ruim – e, a partir daí, se tornam grandes amigos, capazes de se apoiar mutuamente para lidar com os mais diversos problemas. 
“Malhação – Toda forma de Amar” estreia amanhã, a partir das 5 e meia da tarde, na Globo.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Aberturas de Novelas - Alegrijes y Rebujos (Televisa, 2003)

Pôster da novela "Alegrijes y Rebujos"
Divulgação: Televisa

Em 2003, Rosy Ocampo produziu "Alegrijes y Rebujos" para a Televisa. A história original é de Palmira Olguín, que também assina a versão para a TV ao lado de Carmen Sepúlveda e Miguel Ángel Solá. No México, a trama foi exibida às 16 horas, na antiga faixa destinada às novelas infantis.
Nesta história, a pequena Sofía (María Chacón) mora ao lado de uma mansão que desperta a fascinação dos próprios vizinhos e de estranhos que chegam por lá. Segundo conta a lenda, esta sombria casa pertenceu a um milionário excêntrico chamado Aurelio Granados (Hector Ortega), morto há muitos anos, cujo espírito, afirmam alguns, ainda ronda a mansão.
Com uma madrasta ciumenta, um pai ausente e um irmão tedioso, Sofía já possui problemas suficientes. Mas, como curiosa que é, resolve investigar se é de fato verdade que existem fantasmas na mansão. Quando ela se depara com Chon (Salvador Sánchez), sua coragem enfraquece. Chon é um estranho sujeito que trabalhou como empregado de Aurélio e continua morando na casa. 
Um incidente leva Sofía a entrar às escondidas na mansão. Na tentativa de recuperar uma foto de sua falecida mãe, ela conhece Alfonso (Miguel Martínez), o sobrinho neto de Chon que acabou de chegar do interior, e descobre que Aurelio não está morto.
Ao longo de sua vida, Aurelio acumulou dinheiro, prestígio, aborrecimentos e desafetos. Dessa forma, resolveu mudar sua maneira de agir e pensar, tornando-se um homem diferente. Ele encontra em Sofía e Alfonso a alegria que estava buscando durante seus longos anos de reclusão. Para Aurelio, Sofía e Alfonso são “alegrifes”, uma palavra inventada por ele mesmo, com a qual designa as pessoas que desfrutam da vida e das brincadeiras, que nunca perdem as esperanças, que compartilham nas horas boas e ruins e que acima de tudo, conservam o dom maravilhoso da surpresa e da inocência. Para identificar os não “alegrifes”, Aurelio tem outra palavra: “rabujos”, que são as pessoas que somente buscam as coisas materiais, que cultivam a inveja e o egoísmo, que estão atentos a tudo, menos à verdadeira felicidade.
Aurelio, Sofía e Alfonso vivem incríveis aventuras, que compartilham com outras crianças do bairro: a pequena Nayelí (Nora Cano) e seu irmão Ricardo (Diego González), Ernestina (Michelle Alvarez), Pablo (António Hernández) e inclusive Esteban (Jesús Zavala), o antipático irmão de Sofía.
Ao conhecer a história de cada uma das crianças, e o comportamento de seus pais que estão se transformando em verdadeiros “rabujos”, Aurelio decide transformar sua mansão em um clube. Para isso, ele conta com o apoio de excelentes colaboradores: uma bela professora de música chamada Angélica (Jacqueline Bracamontes), que tem como noivo Rogelio (Sebastián Rulli), um tremendo picareta e um consumado “rabujo”; e Bruno (Luis Roberto Gusmán), o instrutor de educação física que conseguiu vencer por seus próprios méritos, pois foi criado sozinho nas ruas. Entre Angélica e Bruno surgirá um terno amor “alegrife”, mas que será posto a muitas provas.
Com a chegada de Helga (Rosa María Bianchi), sua antiga esposa, à vizinhança, a saúde de Aurelio fica fragilizada. Além de ser uma “rabuja”, Helga também é bruxa.
Quando Aurélio morre, Helga vê a oportunidade ideal para apoderar-se de tudo e apagar os sonhos que o velhinho deixou semeados no clube “alegrifes”. Mas a magia que envolve o lugar sobrevive, criando uma fantástica, emocionante e divertida luta de forças entre os “alegrifes” e os “rabujos”.
"Alegrijes y Rebujos" chegou ao Brasil em 2004 com o título de "Alegrifes e Rabujos". Protagonizada pelos participantes do "Código F.A.M.A", um programa infantil de novos talentos, a novela misturava "defeitos especiais", uma trilha musical extensa e personagens carismáticos. As aventuras de Sofía e sua turma eram cheias de fantasia e cumpriram muito bem o papel de entreter a criançada. Entre as muitas novelas infantis exibidas pelo SBT, "Alegrifes e Rabujos" faz parte da memória afetiva de uma geração e poderia render uma excelente versão nacional.
Na coluna desta semana, confira a abertura da novela com o som original. Na exibição do SBT, o tema principal foi interpretado pelos dubladores da novela. Aperte o play e cante se lembrar: "♪♫♪♫♪ És um Alegrife, a tua vida é sempre um céu azul... ♪♫♪♫♪".

Créditos: Televisa